Banco Pine divulga balanço de crédito no terceiro trimestre

Banco Pine

O Banco Pine (https://www.pine.com) originou R$ 865 milhões em novos créditos no 3T20, o que representa um crescimento de 96,8% em relação ao 2T20, impulsionado, principalmente, por operações ancoradas em recebíveis e pela ampliação na concessão de capital de giro às médias e grandes empresas, denotando o reaquecimento da atividade econômica.

Saiba mais

“Esse crescimento reflete a rápida adaptação do Banco ao cenário atual, além da retomada da proximidade com o cliente por parte do time comercial, da agilidade nos nossos canais digitais, bem como criação de produtos para atender à maior demanda do mercado”, destaca o CEO Mauro Sanchez.

Desde julho de 2020, a instituição concedeu mais de R$ 270 milhões de crédito por meio do “Crédito Emergencial Pine”. Este produto foi desenvolvido com base na Res. nº 4.838/20 do Bacen, que criou o programa Capital de Giro para Preservação de Empresas (CGPE), cujo objetivo é apoiar as médias empresas na obtenção de recursos.

O Pine reduziu em 53% o prejuízo no 3T20 em comparação com mesmo período do ano anterior, registrando R$-11,2 milhões. Na comparação do período acumulado a recuperação foi ainda maior, com incremento de 89% em relação ao resultado dos nove primeiros de 2019.

Assim como nos períodos anteriores, o Banco continuou gerando receitas de forma consistente, e reportou crescimento de 125% na Margem Financeira Bruta ante o 3T19. O aumento nas receitas oriundas de crédito impactou diretamente no crescimento da margem com clientes (NIM), que registrou expansão para 2,0% a.a. ante 1,6% a.a. no 3T19, refletindo a mudança na composição do mix de produtos e de segmentos dentro da instituição.

As receitas de prestação de serviços e tarifas somaram R$ 14 milhões no 3T20, crescimento de 2,3% em relação ao 3T19. Na mesma comparação, houve redução no patamar de despesas de pessoal e administrativas, com destaque para a redução de 21,2% nas despesas administrativas ante o 3T19.

Carteira de crédito

Nos últimos meses o mercado financeiro brasileiro foi demonstrando cada vez mais maturidade, com a implantação de programas que incentivaram e contribuíram para o início da recuperação da economia observada recentemente. Neste sentido, a Carteira Classificada (Res. 2.682) apresentou um aumento de 14,3% em relação a junho de 2020. Essa variação reflete a maior originação de novos créditos no trimestre, sinalizando uma retomada da atividade econômica, além de atestar a consistência do desempenho do Banco e a nossa capacidade de atuação neste cenário adverso.

A carteira de crédito expandida encerrou setembro de 2020 em R$ 4,0 bilhões, crescimento de 10,4% no trimestre, e redução de 5,1% em relação a setembro de 2019, principalmente no produto de fianças prestadas, alinhado à estratégia do Banco. A carteira do segmento Grandes Empresas encerrou setembro de 2020 em R$ 2,8 bilhões – aumento de 6,0% no trimestre, enquanto o segmento Empresas cresceu 23,0% e encerrou o período com saldo de R$ 1,1 bilhão, pulverizado em mais de 300 clientes. Além disso, o Pine destaca também o aumento do número de clientes ativos em 10,5% nos últimos 12 meses, e a contínua pulverização de risco de crédito, com ticket médio de R$ 7,0 milhões. Os resultados evidenciam avanços na estratégia de aumentar a participação de clientes com faturamento anual de até R$ 500 milhões.

A instituição também reportou que o aumento da originação em todas as linhas de negócio foi acompanhado por controle na inadimplência. Em setembro de 2020, o índice de inadimplência acima de 90 dias foi de 0,2%, comparado a 0,3% em junho de 2020.

Os créditos classificados entre os ratings AA-C representavam 86,5% da carteira de crédito no final de setembro de 2020, ante 80,4% em setembro de 2019. Essa melhora reflete a qualidade das novas safras e dos processos de concessão de crédito, evidenciando a estratégia de migração da carteira para operações de maior rentabilidade e com mais garantias atreladas.

Captações | Funding | Capital

O total de captação atingiu R$ 7,2 bilhões em setembro de 2020, o que representa um aumento de 12,7% em 12 meses. Isto faz com que a carteira do Banco permaneça diversificada, com prazos e condições adequadas ao perfil dos ativos. O caixa livre da instituição encerrou setembro de 2020 em R$ 1,7 bilhão, patamar sólido e alinhado com o fluxo de vencimentos e originação de crédito.

As captações com pessoas físicas representaram 84% do total de funding, todas originadas por meio das mais de 50 distribuidoras que o Banco opera, ou pelo Pine Online, plataforma interna de investimentos.

O Índice de Basileia atingiu 13,1% em setembro de 2020, patamar adequado com a estratégia de apetite a risco, especialmente de crédito. Na comparação com junho de 2020, o aumento na Basileia reflete, principalmente, os efeitos da Resolução nº 4.838/20 do Banco Central.

COVID-19 e impactos futuros

Durante o terceiro trimestre de 2020, as economias globais continuaram a ser impactadas pela pandemia do COVID-19, no entanto, com a implementação de programas de estímulos fiscais e monetários pela maioria dos países foi possível observar uma melhora nos indicadores de atividade economia.

Neste contexto, o Banco Pine, sempre diligente aos efeitos do cenário macroeconômico em seus negócios, seguiu com a execução do seu planejamento estratégico, capturando oportunidades pautadas em modelos de riscos que ajudam a elevar as margens e controlar a qualidade dos ativos.

De acordo Sanchez, nestes nove meses, “Tivemos muitos avanços nas discussões de mercado acerca de oportunidades voltadas para médias empresas, segmento cada vez mais relevante para a economia”.

“Financiar rápido e servir bem milhares de empresas em benefício das pessoas é o propósito que motiva o Banco Pine a fazer a diferença no mercado financeiro brasileiro. Em tempos exponenciais, em que o mundo digital nos transforma, acreditamos que as pessoas que são os principais agentes de um processo transformação, sendo assim, responsáveis diretos pelo sucesso do Banco”, fomenta o executivo.

O CEO reforça ainda que o momento ainda é de cautela, com o surgimento de novas ondas de contaminação ao redor do mundo, entretanto acredita na sustentabilidade e na solidez da estratégia adotada. “Nos comprometemos em manter o controle do risco de crédito e a preservar os níveis adequados de liquidez e capital, sem perder o diferencial como fornecedor de soluções eficazes de crédito para grandes e médias empresas”, conclui.