Bradesco, Itaú Unibanco e Santander aderem à Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura

Bancos privados

Os três maiores bancos privados do País, Bradesco, Itaú Unibanco e Santander, assinaram sua adesão à Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura. O principal objetivo do movimento é implementar ações para promover um novo modelo de desenvolvimento econômico pautado pela economia de baixo carbono e, desta maneira, responder aos desafios das mudanças climáticas, possibilitando avanços concretos na agenda de clima e agropecuária no Brasil.

Saiba mais

Reforma tributária: proposta preserva pequenos negócios inseridos no Simples Nacional

Porque não sou promovido? Entenda o que esta te impedindo de crescer

Deputados aprovam MP que prevê R$ 20 bilhões para socorro a empresas na pandemia

Especialista dá 5 dicas para ter sucesso em uma entrevista de emprego

37% dos desempregados afirmam que perderam seu trabalho devido ao isolamento social

Itaú Unibanco e Brastemp lançam cartão em comemoração ao aniversário da marca

A coalizão é um movimento multisetorial, composto por entidades que lideram o agronegócio no Brasil, as principais organizações civis da área de meio ambiente e clima, representantes do meio acadêmico, associações setoriais e companhias líderes nas áreas de madeira, cosméticos, siderurgia, papel e celulose, entre outras. Por meio desses agentes, a iniciativa busca oportunidades e sinergias entre a agropecuária e a agenda de proteção, conservação e uso sustentável das florestas para mitigar as mudanças climáticas.

Mais informações sobre a Coalizão Clima, Florestas e Agricultura no site: coalizaobr.com.br

Plano Amazônia

No mês de julho, Bradesco, Itaú Unibanco e Santander já haviam se unido em torno de outra iniciativa relacionada à questão ambiental, a criação do Plano Amazônia, cujo objetivo é promover o desenvolvimento sustentável da região e a proteção da floresta. O plano inclui 10 medidas construídas a partir de três frentes de atuação identificadas como prioritárias para a região: conservação ambiental e desenvolvimento da bioeconomia; investimento em infraestrutura sustentável; e garantia dos direitos básicos da população da região amazônica.