Bradesco realizou 853 demissões e fechou 372 agências no 3º trimestre

Bradesco

O Bradesco divulgou nessa quarta-feira (28) a edição do terceiro trimestre do Relatório de Análise Econômica e Financeira. O segundo maior banco privado fez provisões adicionais de R$ 2,6 bilhões no terceiro trimestre para lidar com os efeitos da crise.

Saiba mais

Banco Central mantém taxa Selic em 2% ao ano

Inter reduz taxa de crédito e apresenta nova linha de financiamento imobiliário

Dotz anuncia sua conta digital com cartão sem anuidade

Banco BRB lança cartão de crédito destinado as torcedoras do Flamengo

Saiba como contestar o cancelamento da extensão do Auxílio Emergencial

Vivo apresenta crescimento de 25,5% no terceiro trimestre do ano

Com a situação de pandemia no país e um maior risco de inadimplência dos clientes, o Bradesco buscou fazer provisões extras para driblar a crise.

“No terceiro trimestre nossos estudos internos, que são baseados em modelos estatísticos que capturam informações históricas e prospectivas, bem como a experiência da administração, e refletem nossa expectativa de perdas em diferentes cenários econômicos, indicam, neste momento, a necessidade de reforçar nossas provisões relacionadas ao cenário econômico adverso em um patamar inferior aos trimestres anteriores, preparando o banco para um cenário de aumento de inadimplência em 2021, explicou o Bradesco em seu relatório de demonstrações financeiras.

O banco encerrou setembro com índice de cobertura de 398,2%, o maior da história.

Por outro lado, o Bradesco precisou fazer reduções para reduzir custos e driblar a crise. O banco fechou 372 agências no terceiro trimestre, anteriormente tendo encerrado as atividades de 311 unidades na primeira metade do ano. A instituição provisionou cerca de R$ 483 milhões, relativos a reestruturação na rede de atendimento.