Cartão de crédito apresenta aumento de 23,2% no primeiro trimestre

cartões de crédito com alta renda

De acordo com a Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), as compras online realizadas com cartão de crédito apresentaram aumento de 23,2% no primeiro trimestre, atingindo a margem R$ 87 bilhões.

Saiba mais

Banco Inter e Pan lideram ranking de reclamações do Banco Central

Banco do Brasil lança plataforma digital para venda de imóveis

Coronavírus irá aumentar juros dos bancos, segundo Bradesco

Banco Inter vai oferecer condições especiais para consórcios de imóveis junto com a MRV

Cartão Santander: Banco libera mais limite para todos cartões de crédito

O crescimento acontece mesmo em meio à crise econômica causada pelo Covid-19. No total, apenas no primeiro trimestre, os brasileiros fizeram 5,8 bilhões de transações utilizando como forma de pagamento os cartões.

“Registramos um crescimento acima de 20%, com o fechamento das lojas físicas. Nosso e-commerce bateu todos os meses anteriores em questão de faturamento, mas, vale ressaltar que, tivemos que aumentar nossa equipe, trazer novidades e investir bastante em redes sociais.”, menciona o sócio da Dassi Boutique, Danilo Costa.

Outra modalidade que também se destacou foi o pagamento via tecnologia NFC, o pagamento por aproximação, apresentou aumento de 456% e movimentou R$ 3,9 bilhões, no período mencionado anteriormente. Já o cartão pré-pago subiu 78,9%, representando R$ 7,1 bilhões.

Ainda segundo o estudo, a região Sudeste que tem a maior participação no mercado de cartões (65,6%), foi a que apresentou a maior variação em comparação ao primeiro trimestre de 2019: aumento de 18%, subindo para R$ 186,2 bilhões.

O novo “normal” do cartão de crédito

Por causa do isolamento social os brasileiros tiveram que se adaptar ao novo estilo de vida, ou seja, as compras online cresceram e com elas o uso do cartão também. O setor de moda, por exemplo, foi uma frente que precisou reinventar-se perante a pandemia.

Algumas lojas fecharam, outros se adaptam ao home office, e assim por diante. “O home office já é uma realidade para muitas pessoas, então, por qual motivo mandar o atendente da loja física embora? Se você pode deixá-lo trabalhando home office e aumentar sua operação do e-commerce!”, alerta a CEO da Dassi Boutique, Sirlene Costa.

A empresa que conta com um e-commerce e duas lojas físicas teve que se adaptar a pandemia, com as unidades físicas fechadas temporariamente, a empresa teve que investir em estratégias para a loja virtual, aumentar os cuidados dentro da operação, com o uso obrigatório de máscaras, álcool em gel, escala de trabalho e almoço para evitar aglomeração, alocação de recursos e pessoas para dar vazão na alta demanda etc.

De acordo com a pesquisa realizada pela Dito CRM, “Impactos do Covid-19 no Comportamento do Consumidor Brasileiro de Moda”, um diferencial das lojas foi o alocar os funcionários da unidade física para o meio digital, as vendedoras permanecem fazendo o que sabem: ajudar clientes a fazer a melhor escolha. A diferença é que agora isso é feito de forma online e remota.

Segundo o estudo da Dito, as vendedoras – também conhecidas como consultoras digitais – foram peça-chave para o crescimento de 71,5% observado durante o mês de abril deste ano, em comparação com março, no número de compras online do segmento de Varejo de Moda, que inclui Vestuário, Acessórios e Calçados.

Já a receita das marcas pesquisadas teve um aumento de 36,9% em abril em relação a março. O ticket médio, por sua vez, apresentou queda de 8,4% na mesma base de comparação. “É natural que o ticket médio tenha uma queda devido a diversificação encontrada nas vendas online, com acesso ao Google a pessoa pode procurar qualquer peça que antes achava por R$ 80,00 agora está por R$ 40,00, seja na mesma loja ou em concorrentes.”, destaca a responsável pela performance online da empresa, Sabrina Costa.