Concessão de crédito chega a R$ 2,2 tri de março a setembro, segundo Febraban

Concessão Crédito

As concessões de crédito oferecidas pelos bancos somaram R$ 2,2 trilhões de 1º de março a 18 de setembro, de acordo com dados divulgados pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) nesta sexta-feira (2).

Saiba mais

Santander adota assinatura digital para transações de PMEs

Ações de bancos e exportadoras devem valorizar neste semestre, diz economista da Messem

Receita Federal fecha parceria com Ministério da Cidadania para evitar fraudes no Auxílio Emergencial

Saldo da carteira de crédito em agosto deve crescer 11,6%, mostra FEBRABAN

PIX deve reduzir custos para clientes e coloca em risco sistemas DOC e TED

Proposta exige que bancos e cartões tenham telefone específico para consumidor

Segundo os dados, que incluem informações oficiais divulgadas pelo Banco Central de março a agosto, além dos dados consolidados pela Febraban até o dia 18 de setembro, mostram uma somatória de concessão de crédito de R$ 2,2 trilhões, considerando apenas as operações no segmento livre de crédito para pessoa jurídica, que são de R$ 204,5 bilhões, e de crédito imobiliário para pessoa física, desconsiderando as operações de crédito rotativo.

“A recessão estaria muito pior se não fosse a atuação dos bancos, provendo crédito para as empresas e famílias. Os números continuam mostrando que, mesmo em meio a um cenário bem adverso decorrente da pandemia, os bancos fizeram substanciais concessões de crédito, na casa de R$ 2,2 trilhões, incluindo operações novas, renovações de dívidas e carências de parcelas vencidas no período”, frisa o presidente da Febraban, Isaac Sidney, em nota oficial.

No período de 16 de março a 18 de setembro, o setor já negociou 15 milhões de contratos com operações em dia. Com um saldo devedor total de R$ 858 bilhões. A soma das parcelas suspensas determinadas dessas operações totaliza R$ 118,6 bilhões.

Os números detalhados pela Febraran mostram um alívio financeiro imediato para as empresas e consumidores, que passaram a ter carência entre 60 a 180 dias para pagar suas prestações.

Ainda segundo a entidade, a taxa de juros para o conjunto de operações de crédito recuou de 23,1% para 18,7% ao ano. Já o spread, que é a diferença entre quanto o banco capta para quanto ele empresta, em sua média nas operações de crédito caiu de 186,% para 15,0%;.