Contratações de trabalhadores temporários em agosto superam expectativas

Crescimento em vagas de trabalho no Brasil

A economia brasileira ainda sente os impactos da pandemia do novo coronavírus, que afetou de forma contundente os postos de trabalho e criou uma situação de insegurança e emergência nas empresas. Mesmo diante deste cenário, o Trabalho Temporário – no formato da Lei Federal 6.019/74 e do Decreto nº 10.060/2019 – tem ganhado destaque por ser uma opção formal de contratação rápida, mais acessível financeiramente, flexível e que garante segurança econômica e jurídica tanto para os trabalhadores quanto para os contratantes.

Saiba mais

Projeto amplia estágio profissional de dois para três anos durante pandemia

Fundos de renda fixa têm melhor captação líquida do ano em agosto

Governo assina Medida Provisória que facilita concessão de crédito

ABFintechs defende modernização do mercado financeiro

Trabalho temporário é a porta de entrada para conseguir emprego em 2020

Em agosto, as contratações realizadas por meio da modalidade superaram em 20,7% a projeção da Associação Brasileira do Trabalho Temporário (ASSERTTEM). “Esperávamos ter a geração de 163.769 novas vagas em agosto deste ano. Mas, o resultado foi surpreendente: 197.680 contratações temporárias no período”, afirma o presidente da associação, Marcos de Abreu.

Na comparação com o mesmo mês de 2019, a performance é melhor ainda. Um aumento de 89,5% frente às 104.312 de agosto do ano passado.

Setores

Das contratações temporárias em agosto, 65% delas foram realizadas pelo setor da Indústria, 28% de Serviços e 7% do Comércio, sendo que o motivo para a abertura de vagas foi a demanda complementar de trabalho. Isso é o que mostra a pesquisa realizada pela ASSERTTEM com as agências associadas.

“Como já era esperado, o setor da Indústria garantiu a boa performance das contratações de trabalhadores temporários no mês de agosto, pois segue repondo seus quadros de funcionários para suprir a demanda do mercado”, frisa Abreu.

De acordo com a pesquisa da ASSERTTEM, os principais segmentos do setor industrial que demandaram reforços de trabalhadores temporários foram: Alimentos (35%), Farmacêutica (19%), Embalagens (15%), Metalúrgica (11%), Mineração (8%), Automobilística (8%) e Agronegócio (4%).

Dentre os estados, os que mais se destacaram na contratação temporária para a Indústria foram São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Pará e Rio Grande do Sul, seguidos por Minas Gerais, Santa Catarina, Bahia e Maranhão.

Para o presidente da ASSERTTEM, a modalidade de contratação prevista na Lei 6.019/74 é uma excelente oportunidade para que as empresas consigam atender suas demandas urgentes e emergenciais e para ganharem fôlego durante a retomada, até conseguirem efetivar os trabalhadores novamente.

A associação estima que mais de 1,9 milhão de trabalhadores temporários serão contratados neste ano, um aumento de 28% com relação a 2019.