Gestão de riscos: sua empresa está pronta?

Gestão de riscos

Com o objetivo de manter competitividade no mercado, empresas buscam utilizar as melhores práticas disponíveis para a gestão de riscos, assunto que vem conquistando cada vez mais relevância estratégica e permeando a cultura organizacional. Nesse cenário, o Brasil se destaca entre os países da América Latina, com 36% das empresas em bons níveis de maturidade na área, de acordo com dados da consultoria Marsh.

Saiba mais

Como organizar as finanças em 2020

Seis dicas de gestão empresarial

Segundo Alexandre Oliveira, Diretor de Riscos da Matera, empresa de tecnologia para o mercado financeiro, varejista e de gestão de riscos, os negócios estão sempre propensos a perdas decorrentes de fatores internos e externos, com potencial de impactar os objetivos estratégicos ou, até mesmo, a continuidade de uma organização.

“As empresas estão tomando conhecimento do quão importante é ter uma gestão de risco, tanto que 39% das corporações já tem esse processo estabelecido. O que muitos executivos precisam entender é que essa questão deve estar atrelada a cultura organizacional, fazendo parte do DNA”, comenta Oliveira.

No levantamento da Marsh, conseguimos identificar os principais desafios para implementar a cultura de riscos e os níveis de maturidade de cada uma delas para lidar com essa questão, veja mais:

1- Não desenvolvido

Quando não existe um enfoque estruturado para identificar e gerenciar os riscos. As práticas são básicas e não aplicadas de maneira consistente, mas há oportunidade de melhoria;

2 – Formalizado

Neste nível, as políticas estão sendo estabelecidas e as práticas estão em processo de desenvolvimento. Há um bom entendimento e conscientização sobre as práticas, com oportunidades significativas de melhorias;

3 – Estabelecido

O processo já foi implementado e as práticas estão estabelecidas, sendo aplicadas de maneira consistente com os melhores níveis de conscientização pela administração e pelos funcionários;

4 – Implantado e interiorizado

Existe um foco proativo na Gestão de Risco em todos os níveis da organização. As práticas de gestão de riscos já estão em um nível avançado e são aplicadas de maneira consistente;

5 – Otimizado

A melhoria contínua está sendo realizada e o conjunto completo de atividades é executado. Nesta etapa, há níveis muito elevados de entendimento e conscientização das práticas de gestão de risco por parte da administração e dos funcionários.

A pesquisa ainda aponta que, quando analisamos a gestão de riscos no Brasil, o cenário é bem semelhante a América Latina. Porém, o país se destaca com o maior número de empresas em nível avançado de maturidade, com 36% entre os níveis 4 e 5. Se observarmos as empresas com processos já otimizados (nível 5), o Brasil está a frente com 12,5%, seguido por Argentina (6,7%), Chile (6,7%) e México (5,6%). Já em relação a setores, construção civil (10% nível 5) e financeiro (46,2% nível 4) são considerados os mais avançados.

O estudo apresenta que o maior risco é a concorrência de mercado, seguido do financeiro e do regulatório. No Brasil, um dos riscos que chama a atenção é o compliance. Depois de uma série de casos de corrupção em grandes empresas do país, vivemos uma onda no qual a área ganhou uma grande notoriedade nas empresas nacionais, iniciando uma mudança cultural nas empresas.