Greve termina e Correios devem retomar trabalho nesta terça-feira

Correios

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) informou nessa segunda-feira (21) que foi aprovado o reajuste de 2,6% para os funcionários dos Correios, que estavam em greve desde o dia 17 de agosto. Os serviços devem ser retomados nesta terça-feira (21).

Saiba mais

Começa hoje o pagamento das cotas do PIS/Pasep

Forever 21 pede recuperação judicial nos Estados Unidos

Brasileiros acreditam em melhora da economia, mas otimismo diminui

Contabilidade de custos: Veja o que é e como funciona

Projeto amplia estágio profissional de dois para três anos durante pandemia

Segundo o tribunal, a greve não foi abusiva. Com isso, metade dos dias de greve será descontada do salário dos empregados. A outra metade deverá ser recompensada. Caso não retornem ao trabalho, a categoria fica sujeita a multa diária de R$ 100 mil.

Entretanto, de acordo com o secretário-geral da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresa dos Correios e Similares, José Rivaldo, a greve continua. O resultado do julgamento será discutido nesta terça em assembleia com os trabalhadores.

Entenda o caso da greve dos Correios

As agências dos Correios entraram em greve após os trabalhadores serem surpreendidos com a revogação do atual Acordo Coletivo, que estaria em vigência até 2021.

O presidente do STF, Dias Toffoli, suspendeu 70 das 79 cláusulas do acordo coletivo de trabalho a pedido dos Correios, com o argumento que não teria como manter as altas despesas, e que precisaria  “discutir benefícios que foram concedidos em outros momentos e que não condizem com a realidade atual de mercado”.

O acordo havia sido estendido pelo TST em decisão feita em outro do ano passado. O Tribunal decidiu manter as nove cláusulas oferecidas pelos Correios durante a negociação salarial, que incluem a oferta de plano de saúde e auxílio-alimentação, e outras 20 cláusulas sociais, que não representam custos extras aos Correios.

De acordo com a relatora do processo no TST, a ministra Kátia Arruda contestou os argumentos do Correios sobre problemas financeiros e apontou que a estatal registrou lucro no primeiro semestre. “A meu ver, não houve negociação coletiva, porque a meu ver não houve qualquer tipo de cessão dos Correios para atender parcialmente às reivindicações da categoria”, disse.