Hélio Laniado ensina como melhorar as finanças pessoais

Hélio Laniado dicas de finanças

Muitas pessoas acabam imersas em dívidas por não ter uma boa educação financeira ou por não saberem organizar as suas finanças pessoais. Quando não consegue organizar as finanças, a probabilidade de endividar-se, torna maior.

Veja Também:

Aprenda os 9 hábitos mais fáceis para economizar dinheiro

Tenho dívida cartão de crédito o que pode acontecer?

14 maneiras fáceis de ganhar dinheiro extra em casa

Se deseja organizar suas finanças, obtendo dicas de um especialista neste assunto, o artigo de hoje ajudará a aprender como fazer isso através dos ensinamentos do especialista em investimentos Hélio Laniado.

Verá o que é Educação Financeira e porque ela é tão importante para seu cotidiano. Poderá distinguir entre um bom e mau investidor e conhecer um pouco mais sobre Hélio Laniado obtendo as mais diversas dicas sobre como organizar suas finanças pessoais.

Confira tudo e coloque já as dicas em prática, organizando bem as suas finanças.

O que é a educação financeira?

Quando falamos de Educação Financeira, nos referimos ao controle que alguém possui sobre suas finanças, sabendo organizar seu dinheiro, direcionando para gastos, dívidas e compras necessárias.

Quando consegue administrar bem suas finanças, separando cada quantia para seu respectivo gasto e ainda guardando dinheiro para uma emergência, entende-se que tem uma boa Educação Financeira. Porém, se não consegue gerenciar dessa maneira, saiba que isso é um problema que muitas pessoas possuem e que pode ser resolvido.

Qual é a importância que a Educação Financeira possui?

A importância em ser bem educado financeiramente, é que com isso a pessoa não adquire dívidas, ou seja, quando você tem uma boa Educação Financeira, não acumulua dívidas e consegue planejar melhor seu crescimento, ao invés de ocupar seu dia com preocupações em pagar contas.

Por conta disso, foram criados os termos “Investidor Mal Educado” e  “Investidor Bem Educado”.

A seguir, você conhecerá cada um desses termos. Confira:

O que é um Investidor Mal Educado?

Existem diversos tipos de investidores mal educados. Um deles, é aquele investidor que está com dívidas a serem pagas, mas mesmo assim, deixa-as de lado, para fazer novas despesas, que acabam se tornando dívidas no futuro.

Outro tipo de investidor mal educado bastante comum, e que você talvez já tenha cruzado o seu caminho, é aquele que tem um empréstimo a ser pago e para pagar a esse, solicita um novo empréstimo em outra instituição.

Este perfil é considerado mal educado, porque não resolve o problema que possui, quitando sua dívida, mas criam uma nova dívida para quitar a mais antiga, criando um mecanismo de “rolagem” sem fim, e deixando de lado até mesmo o custo das taxas de juros sobre os novos empréstimos, dado sua urgência em adquiri-los

O que é um Investidor Bem Educado?

Já no caso do Investidor bem educado, são pessoas que sabem fazer  bom uso do seu dinheiro, evitando ao máximo criar novas dívidas. Cartões de crédito e empréstimos têm que ser usados de forma bem cautelosa, para que dívidas não sejam contraídas em série e fora do orçamento.

Para Helio, investidores bem educados, são aqueles que sabem se organizar, que planejam todos os seus gastos de acordo com o que recebem.

Quem é Helio Renato Laniado?

Hélio Renato Laniado é assessor financeiro desde 1997. Ele é responsável por ajudar seus clientes a investirem de forma correta.  Possui diversos projetos, como é o caso da VIMM|Pag, uma fintech responsável por viabilizar microcrédito para que as pessoas tenham maior facilidade na hora de pagar suas contas e resolver seus problemas.

Veja a seguir, algumas dicas que Hélio Laniado tem sobre ‌‌como‌ ‌melhorar‌ ‌as‌ ‌ finanças‌ ‌pessoais‌:

01- Saiba exatamente quanto  recebe mensalmente

Você deverá saber exatamente qual é sua renda de todo o mês. Some o que recebe além dos ganhos extras, benefícios (caso receba) e outros. Junte tudo e veja qual é o valor total de todos os seus ganhos e não se esqueça do seus impostos a pagar.

02- Faça uma lista de todos os gastos

É muito importante que você também liste todos os seus gastos. Com isso, terá noção do planejamento mensal de despesas x receitas e só assim, decidir  se ainda é possível comprar mais alguma coisa, tendo como parâmetro o valor mensal que normalmente recebe.

03- Veja se existem gastos possíveis de se cortar e os que devem ser priorizados

É importante também cortar alguns gastos desnecessários, como aplicativos ou TV por assinatura, ficando somente com aquilo que realmente servirá e terá mais utilidade para você.

04- Priorize as dívidas

Não compre mais nada, sabendo que ainda existem dívidas para pagar. Se for necessário compre, porém priorize suas dívidas e após pagá-las, saiba administrar bem o seu dinheiro para não obter outras.

05- Planeje suas finanças pessoais

Depois de somar os gastos e ganhos, adquirindo o controle sobre eles, inicie um planejamento de reservas e gastos futuros. Quem sabe até criar um espaço para acumular reservas? Um pouco por mês de acúmulo de salário é melhor do que a obrigação mensal de pagar despesas com juros.

06- Utilize o cartão de crédito com cautela

Saber usar bem o cartão de crédito, é inteligente. Isso porque muitas pessoas acabam gastando desenfreadamente por se atentar apenas ao valor das parcelas e não na quantidade delas e muito menos ao valor total das compras.  Por esse motivo é importante sabedoria para utilizá-lo, principalmente nos custos com juros em prestações pós fixadas. Nunca caia nesta armadilha, se quiser parcelar no crédito rotativo, as taxas de juros tem que ser pré fixadas, previamente combinadas e conhecidas, para que não virem uma bola de neve