Intenção de compra cresce no segundo tri e atinge maior patamar na pesquisa desde 2014

Compra colaborativa

Passados meses desde o início da pandemia da COVID-19, a pesquisa Raio-X FipeZap do 2º trimestre de 2020 oferece dados inéditos a respeito da percepção e do comportamento dos agentes do mercado imobiliário durante esse período de perdas econômicas e incertezas, incluindo informações sobre compras realizadas e intenção de compra; participação de investidores entre os compradores; incidência e percentual de descontos negociados sobre o valor anunciado; percepção e expectativas com respeito ao nível e trajetória dos preços dos imóveis no curto e longo prazos, entre outros. A seguir, são apresentados os destaques desta edição da pesquisa, elaborada a partir da contribuição de 2.909 respondentes entre julho e início de agosto:

Participação de compradores: a participação de compradores na amostra (respondentes que declararam ter adquirido imóvel nos últimos 12 meses) voltou a crescer, passando de 8% no 1º trimestre para 10% dos respondentes no 2º trimestre. Em relação ao estado ou tipo do imóvel adquirido, a preferência por imóveis usados também se destacou pelo crescimento no último trimestre, respondendo por 68% das compras concretizadas pelos respondentes da amostra – o maior patamar da série histórica da pesquisa. Em termos de objetivos, o interesse na aquisição de imóveis como forma de investimento (seja para valorização e posterior revenda ou para obtenção de renda com aluguel) declinou ligeiramente na comparação com o objetivo moradia, abrangendo 42% dos respondentes que declararam ter adquirido algum imóvel recentemente. Dentre eles, prevaleceu o objetivo de alugar o imóvel para obter renda (68%).

Intenção de compra: a proporção de respondentes que declarou intenção de adquirir imóveis nos próximos 3 meses apresentou forte alta no 2º trimestre, passando de 36% para 43% do total de respondentes da amostra. Entre eles, cerca de metade se declarou indiferente entre imóveis novos ou usados (51%). Já em termos de objetivo, a maior parte registrou a intenção de utilizar o imóvel para moradia própria (88%). Entre os fatores que podem explicar o aumento na intenção de compra, pode-se destacar a redução das taxas de juros do crédito imobiliário, a expectativa de queda nos preços, o aumento no número de lançamentos, bem como a recuperação da atratividade dos imóveis como alternativa de investimento.

Descontos nas transações: o percentual de transações de compra com desconto sobre o valor anunciado do imóvel oscilou pouco dos últimos meses, encerrando junho com uma incidência de 71% sobre as transações realizadas nos últimos 12 meses – resultado que mantém o indicador no maior patamar da série histórica. Considerando apenas as transações que envolveram alguma redução no valor anunciado, todavia, o percentual médio de desconto negociado entre as partes interessadas recuou ligeiramente nos últimos meses, encerrando junho em 13%.

Percepção sobre os preços atuais: ainda repercutindo o quadro de incertezas e perdas econômicas trazidas pela pandemia, a percepção de que os preços estão “altos ou muito altos” recuou em relação ao observado no 1º trimestre do ano (68%), mas ainda foi preponderante entre os respondentes no 2º trimestre de 2020 (60%), equiparando-se ao patamar observado nas pesquisas realizadas entre 2017 e 2018. Em contraste, a proporção de respondentes que considerava os preços “baixos ou muito baixos” foi de 18% na amostra do último trimestre, enquanto os respondentes cuja percepção era de que os preços estavam em nível razoável foi referendada por 30% dos respondentes. Em uma perspectiva mais ampla, comparando-se a última pesquisa com o percepção no 2º trimestre de 2015, ainda é possível destacar uma queda expressiva na percepção de que os preços estão “altos ou muito altos” (de 78% para 60%), em paralelo ao crescimento na participação de respondentes que acreditam que os preços estão em nível razoável (de 15% para 30%); e “baixos ou muito baixos” (de 5% para 18%).

Expectativa de preço: em relação às apostas e projeções dos agentes para os preços dos imóveis nos próximos 12 meses, os últimos resultados revelam que o período marcado pela chegada da pandemia ao país impactou negativamente as expectativas dos respondentes no 1º trimestre de 2020, levando-os a reverem projeção de ligeira alta no preço dos imóveis consolidada ao final de 2019 (+0,9%) por uma aposta de queda acentuada (-5,6%). Tais projeções, entretanto, foram parcialmente revistas pelos respondentes do 2º trimestre, de modo que a variação esperada do preço dos imóveis para os próximos 12 meses passou de queda nominal de 5,6% para queda nominal de 1,1%.

Saiba mais

Banco PAN tem lucro líquido de R$ 144 milhões no segundo trimestre

E-Commerce brasileiro cresce 75% no mês de maio, segundo Mastercard

Bradesco deve fechar mais de 400 agências bancárias em 2020

Analistas avaliam Banco Inter como uma “árvore que não dá frutos”

Taxa de desemprego sobe para 12,2% no primeiro trimestre

Ações do Santander disparam 11% em movimentação na Ibovespa