Levantamento mostra que INSS pagou benefícios a mais de 20 mil mortos em 2019

INSS Auxílio

Um levantamento divulgado pela Controladoria Geral da União (CGU) mostrou que benefícios como Bolsa Família e liberação do FGTS foram pagos em 2019 a 20.104 beneficiários que já morreram. 2020 está marcado como o ano dos benefícios, como é o caso do Auxílio Emergencial e FGTS.

O levantamento ainda mostra que alguns desses pagamentos ainda estariam sendo feitos em 2020.

Saiba mais

74% dos empresários do Sudeste já aderiram ao Pix como principal meio de pagamento

Banco Bmg adota inteligência artificial da DataRobot

Aprenda a pagar boletos com o cartão de crédito Mercado Pago:

Locaweb anuncia a compra do Ideris, plataforma de integrações em marketplaces

Quod e FICO firmam parceria para aprimorar scores de crédito

O relatório foi produzido com base nas informações levantadas em janeiro de 2019 pelo Informatizado de Controle de Óbitos (Sisobi). O relatório prevê que prejuízo da Previdência é estimado em R$ 323 milhões. Foi publicada uma auditoria em junho de 2019, no entanto, em uma atualização feita no mês passado, o INSS informou à CGU que, desse total, cancelou 9.996 benefícios pagos a falecidos.

A autarquia não interrompeu os restantes dos pagamentos, mas a estatal bloqueou todos. A CGU cruzou informações inseridas em folha de pagamento do INSS de janeiro de 2019 com os dados do Sisobi e usou como chave o CPF cadastrado nas bases de dados mencionadas.

O resultado foi que 20.104 benefícios pagos mensalmente estavam indo para pessoas que constavam como falecidas. Todos estavam com data de óbito anterior à data de pagamento, e que, portanto, deveriam ter o benefício cancelado.

A CGU também informou que o problema vem sendo apontado desde 2005 pela auditoria interna do INSS, bem como de outros órgãos de controle.

“Os fatos descritos demonstram fragilidade no processo de manutenção de benefícios previdenciários, naquilo que diz respeito ao não cancelamento do benefício de segurados falecidos”, diz trecho do documento da CGU.