PGR investiga prática de oferta de crédito a aposentados

Procuradoria investiga assédio agressivo de bancos e instituições ao oferecer crédito consignado para aposentados; veto de Bolsonaro flexibilizou prática

Crédito

A Procuradoria-Geral da República (PGR) iniciou uma investigação sobre as práticas de bancos para a oferta de crédito consignado para aposentados. Um suposto vazamento de dados de pensionistas do INSS também será apurado.

Saiba mais

“Não Perturbe” dos bancos começa a funcionar em janeiro

Aposentados podem resgatar dinheiro do PIS em 2020

Trabalho temporário é a porta de entrada para conseguir emprego em 2020

Cheque especial terá juros limitados a partir de segunda-feira

Confira como resgatar o dinheiro do Imposto de Renda dos últimos cinco anos

Em junho de 2019, o presidente Jair Bolsonaro aprovou um veto que flexibilizou o compartilhamento de dados de beneficiários do INSS com o setor privado, na Medida Provisória 871.

De acordo com o que foi divulgado na época, este veto deixou dados de idosos vulneráveis para que bancos e instituições financeiras pudessem fazer ofertas agressivas de empréstimo e crédito.

Com isso, o Instituto de Defesa do Consumidor pediu a abertura de um inquérito civil, alegando abuso dos bancos. A justificativa é de que novos beneficiários foram assediados por telemarketing ou nas agências que oferecem esse tipo de crédito antes de serem notificados que conseguiram o benefício do INSS.

Para combater esse tipo de assédio, o consumidor pode incluir os bancos na plataforma de bloqueios Não Me Perturbe, que entrou em vigor nessa quinta-feira (2), como forma de evitar que ligações com ofertas de crédito consignado sejam realizadas para os consumidores. O cadastro pode ser feito direto no site do banco, em link disponível pela instituição.