PMEs que mais crescem no Brasil apostaram na criação de novos produtos

PMEs
(Foto: Pixabay)

A Deloitte, em parceria com a revista Exame, apresenta a 14º edição da pesquisa anual “As PMEs que Mais Crescem no Brasil” – um dos mais tradicionais e completos levantamentos sobre o desenvolvimento das pequenas e médias empresas do país. O estudo aborda os diversos fatores que permitiram o crescimento das 100 empresas que mais se destacaram entre as pesquisadas, no período de 2016 a 2018.


Saiba mais

Publicidade

Quais são os cinco golpes mais comuns nos processos de pagamento?

O sucesso desse desempenho é fruto da combinação e diversificação de estratégias que envolvem investimentos e inovação frente aos novos rumos da economia nos últimos anos. Segundo apurado junto aos participantes, para 56% das empresas a criação de novos produtos e serviços, aliada ao aumento da eficácia da força de vendas, cujo índice chegou a 55%, e a expansão para novos mercados geográficos, com 50%, foram as iniciativas que mais contribuíram para o crescimento da maioria das pequenas e médias empresas do ranking. “Estes dados reforçam a importância da inovação e da expansão de novas soluções das PMEs. Nosso compromisso com essas empresas, que são cada vez mais relevantes para o ambiente de negócios brasileiro, é mostrar os caminhos para um crescimento sustentável de forma a aumentar sua competitividade e contribuir para o desenvolvimento econômico e social do país”, declara Ronaldo FragosoLíder do Private Companies Program e do Centro de Excelência Regulatória e Governança Corporativa da Deloitte Brasil.


Outra ação igualmente de destaque para a competitividade das organizações é a melhoria da experiência e satisfação do cliente – apontada por 50% das empresas respondentes. Essa e as demais ações foram, inclusive, os diferenciais para que as participantes do ranking superassem os desafios dos últimos três anos. Por meio de uma estratégia eficiente de acompanhamento e avaliação de dados sobre hábitos e comportamentos do consumidor, foi possível a implementação dessas ações eficazes.

Como prioridade para investimentos futuros, o fator preponderante é o capital humano. Investir em salários, benefícios e treinamento de pessoas é prioridade para 75% das PMEs que figuram no ranking, bem como a ampliação da carteira de clientes e a inovação em produtos e serviços, segundo 69% das empresas. “É evidente que o foco vai além da otimização de processos, abrangendo também o investimento em pessoas, a inovação em produtos e serviços e, principalmente, a fidelização e ampliação do alcance, em relação aos consumidores dessas empresas emergentes”, aponta Fragoso.

Ampliação da infraestrutura tecnológica é outra medida que está no foco das ações importantes para o negócio, segundo as PMEs do ranking. Do total de respondentes, 78% investem constantemente em tecnologia e inovação e 75% disseminam uma cultura aberta ao tema, em busca de novas soluções de problemas detectados na empresa.

Resultados financeiros

Em todas as 14 edições do levantamento “As PMEs que Mais Crescem no Brasil” as empresas demonstraram um grande crescimento das receitas, sendo maior do que a própria economia do país nos respectivos anos avaliados. Ainda assim, considerando o cenário econômico atual e do ambiente de negócios ocorreu, pelo segundo ano consecutivo, um aumento na média da taxa composta de crescimento anual, nos três anos anteriores, das receitas líquidas das 100 primeiras PMEs de cada edição do ranking.

As 100 PMEs com mais crescimento do Brasil

Para a edição deste ano, que aponta as organizações que mais expandiram seus negócios ao longo dos últimos três anos completos (2016, 2017 e 2018), foram ouvidas empresas que faturaram entre R$ 10 milhões e R$ 800 milhões em 2018. Grande parte das empresas que figuram o ranking das 100 PMEs que mais crescem no Brasil estão localizadas nas regiões sudeste e sul. A primeira, com 51% das empresas participantes e a segunda, com 34%. As principais áreas de atuação são serviços de tecnologia da informação e demais manufaturas (papel e celulose, têxtil e calçados, editorial e gráfico, indústria farmacêutica, indústria química, higiene e limpeza, eletroeletrônicos e metalurgia e siderurgia).

Metodologia e amostra

As empresas que participaram da pesquisa foram convidadas a responder a um questionário eletrônico e compartilhar suas demonstrações financeiras referentes ao período de 2016 a 2018. Do total de 248 que responderam ao questionário, 177 atenderam a todos os critérios da pesquisa e, destas, 100 foram classificadas para o ranking de maior crescimento. A pesquisa tem por base as 100 pequenas e médias empresas que registraram as mais altas taxas de expansão em receita líquida entre 2016 e 2018.

Há 14 anos, a pesquisa “As PMEs que Mais Crescem no Brasil”, realizada pela Deloitte em parceria com a Editora Abril, retrata os temas de maior impacto sobre os negócios das empresas emergentes: gestão, governança corporativa, capital humano, empreendedorismo, inovação, finanças e muito mais.

Acesse os resultados e demais critérios da pesquisa na íntegra em www.deloitte.com/pesquisapmes.



Convite Pag Bank

Sem consulta ao SPC e Serasa, Deixe o seu e-mail.