Sistema de scores exige cuidado extra do consumidor na hora de tomar crédito

Scores

Em funcionamento desde abril de 2020, o sistema score foi criado com o objetivo de facilitar o acesso a crédito aos “bons pagadores”. A pontuação varia de acordo com o histórico do consumidor. Isso significa que, quanto mais baixo o score, maiores as dificuldades para conseguir empréstimos junto às instituições financeiras. Por isso, no momento em que muitas pessoas buscam crédito para arcar com as despesas de fim de ano, é preciso redobrar a atenção.

Saiba mais

O score varia de 0 a 1000, sendo que até 300 o risco de inadimplência é considerado alto; entre 300 e 700, médio; e acima de 701, baixo. O cálculo leva em conta vários fatores, tais como: pagamentos de contas em dia, histórico de dívidas negativadas, relacionamento financeiro com empresas e os dados cadastrais atualizados.

Leandro Silva, coordenador dos cursos de gestão e ensino à distância do Centro Universitário Newton Paiva , afirma que, apesar de já estar em funcionamento para todos os brasileiros, muitos ainda não adquiriram o hábito de monitorar seus scores. “É importante enfatizarmos a importância dessa atitude, principalmente nesse momento em que a procura por crédito fica maior diante de demandas como troca de carro, viagens e até mesmo compras de natal”, reflete.

Críticas ao sistema

Apesar de facilitar o trabalho das instituições financeiras de identificar os melhores pagadores, os scores podem ser prejudiciais aos usuários. Segundo Leandro, o sistema é pouco transparente. “Se o indivíduo deixar de pagar uma conta por absoluta necessidade, por exemplo, ele terá seu score negativado. Além disso, não há clareza na forma com que o cálculo é feito, o que torna impossível alguém prever quantos pontos vai perder”, afirma.

Inflação na indústria desacelera para 1,39% em novembro após alta recorde

O especialista acrescenta ainda a impossibilidade de solicitar correção de erros ou recontagens no sistema. “Se antes os usuários tinham o poder de limpar seus nomes, agora eles ficam reféns dos scores. Trata-se de um sistema restritivo, que faz com que cada vez menos pessoas tenham acesso ao crédito ou passem a ter que pagar mais caro por ele”, declara.

“Diante dessa realidade, é fundamental que os usuários estejam cientes a respeito do funcionamento do novo sistema e fiquem vigilantes. A pontuação deve ser levada em consideração na hora de tomar decisões de compra e empréstimos, afinal, a recuperação após ter o score negativado não é tão simples, e pode levar tempo”, orienta Leandro.