Vale a pena prorrogar os vencimentos do financiamento imobiliário?

Financiamento de Casas

Devido à pandemia de Coronavírus, os países estão adotando diversas medidas para minimizar os impactos da crise. No setor econômico, os cinco maiores bancos brasileiros se comprometeram em prorrogar, por 60 dias, os vencimentos de dívidas de seus clientes – o que inclui a suspensão de até duas prestações de financiamento de imóveis. Mas será que adiar os pagamentos realmente vale a pena?

Saiba mais

IRB tem desvalorização e Itaú e Bradesco podem diminuir investimentos

Itaú anuncia prorrogação de contratos de crédito e empréstimo por até 60 dias

Relatório aponta contração do PIB do Brasil em 3% para 2020

Noverde auxilia clientes com adiamento de prazo e redução em taxa de crédito

Fitch coloca perspectiva do Brasil como negativa em meio à crise

Gestão Tributária: quais impostos a minha empresa precisa pagar?

Kaique Grossmann, portfolio manager no Grupo Kallas, lembra que a prorrogação vale tanto para pessoas físicas quanto para micro e pequenas empresas, desde que as parcelas até então tenham sido pagas em dia, mas que não atinge dívidas de cartão de crédito e cheque especial, nem boletos de água, luz, gás e telefone. “Como a medida não se aplica à maioria das despesas mensais, muita gente acredita que irá sair na vantagem se adiar uma ou duas parcelas de um financiamento imobiliário, mas é preciso pensar bem e colocar tudo no papel antes de tomar essa decisão”, diz Kaique.

A flexibilização da data de pagamento pode ser útil para aquelas pessoas que, devido a pandemia, tiveram seus salários reduzidos ou acabaram perdendo o emprego. “Mas é preciso cautela: se você tem esse dinheiro e não se apertará caso continue pagando as parcelas em dia, não faz sentido esse adiamento, afinal, com o prazo maior, os juros ficam maiores também”, explica Kaique Grossmann. É uma questão de planejamento: olhar os gastos atuais e a própria condição financeira diante da crise. “Assim como em qualquer outro cenário econômico, é importante planejar gastos e despesas, de acordo com a renda da família”, continua.

Daí a importância de uma constante organização da vida financeira, o que inclui ter um fundo de reserva para situações emergenciais. “Para quem ainda não tem essa reserva, o recomendado é começar suspendendo as despesas supérfluas e mantendo as contas pagas em dia para não precisar pagar mais taxas”, afirma o portfolio manager da Kallas. Qualquer que seja a situação financeira no momento, é preciso estar atentos a todas as regras sobre as renegociações antes de propor a prorrogação dos seus vencimentos para não sair no prejuízo.

Cartão Kontaazul

Convite Konta Azul

Sem consulta ao SPC e Serasa, Deixe o seu e-mail.