Varejo volta a crescer em dezembro, segundo IGet

Varejo

Seguindo a previsão do Departamento Econômico do Santander, o IGet (Índice Getnet de Vendas do Comércio Varejista Brasileiro) de dezembro confirma um cenário de acomodação do consumo das famílias brasileiras no quarto trimestre de 2020. No último mês do ano, após dois meses de desaceleração nas vendas, o Varejo Restrito e o Ampliado apresentaram alta de 6,6% e 5,3%, respectivamente, sobre novembro, descontados valores sazonais. No comparativo anual, o indicador aponta crescimento de 2,6% para o Restrito e 0,6% para o Ampliado.

Saiba mais

“Avaliando o comportamento do varejo ao longo do ano, vemos que após expressivos ganhos de maio a agosto, o varejo desacelerou com os efeitos da redução do auxílio emergencial de setembro a novembro, caminhando na direção de um padrão de consumo pré-pandemia a partir de dezembro”, aponta Gustavo Bahia, diretor financeiro da Getnet.

Lucas Maynard, economista do Santander, explica: “o quadro macroeconômico brasileiro no quarto trimestre de 2020 foi se desenhando conforme nossas previsões, ou seja, produção industrial com ganhos sequenciais, serviços em recuperação gradual na sequência da reabertura econômica e acomodação no varejo”.

O setor que apresentou maior crescimento foi Vestuário (8%), seguido de Móveis e Eletrodomésticos (2,3%) e Supermercados (0,9%). Na contramão, estão Livros (-6,1%) e Materiais para Escritório (-5,6%).

No conceito Ampliado, a categoria Materiais e Construção registrou queda de 4,2%, enquanto que Partes e Peças Automotivas teve alta de 3,9%, após novembro ter sido negativo (-2,3%).

Safra lança novo investimento buscando união de sustentabilidade e retorno

Pará apresenta maior índice de vendas

O estado que registrou maior crescimento nas vendas no varejo foi o Pará, com 27,46%. Vale destacar também Roraima (9,36%), Paraíba (7,70%) e Ceará (5,45%). Já os estados que tiveram maior queda foram Mato Grosso do Sul (11,08%), Rondônia (7,06%) e Rio Grande do Norte (6,99%).

Metodologia

O indicador utiliza informações de transações no mercado de adquirência nacional e tem o intuito de ampliar o conjunto informacional para análise da trajetória da atividade econômica no Brasil. O método é o same store sales (vendas de uma mesma loja) a cada dois meses. A amostra é composta por 150 mil estabelecimentos de diferentes tamanhos, segmentos e regiões.